Reajuste salarial na folha de pagamento: Saiba como fazer

O reajuste salarial é uma realidade nas empresas. Ele acontece uma vez por ano para todos os colaboradores, pois é um direito previsto nas Consolidações das Leis do Trabalho (CLT).

Por este motivo, é importante que o RH e o gestor trabalham juntos em um planejamento para manter todas as questões relativas à folha de pagamento organizadas para que o reajuste não impacte a folha e, consequentemente, afete a saúde financeira da empresa.

Neste artigo, vamos sobre todos os componentes de uma folha e como fazer dos colaboradores corretamente. Confira!
Reajuste salarial: gestão eficiente da folha de pagamento

Uma das bases para realizar o reajuste de forma correta é manter a gestão eficiente da folha de pagamento.

Uma gestão eficiente da folha  inclui organizar as contratações e demissões realizadas no mês, bem como manter atualizados todos os salários e benefícios dos colaboradores.

Além disso, como é fato conhecido por todos, a carga tributária da folha é grande: FGTS, INSS, entre outros. A falta de recolhimento dos impostos mensais pode levar a empresa a pagar multas e permite que fique exposta a futuras ações trabalhistas.

Todos estes aspectos são importantes para o planejamento financeiro que envolve o reajuste salarial dos colaboradores.
O reajuste salarial

O reajuste é a forma de adequar a remuneração dos colaboradores e garantir o poder de compra de acordo com a inflação anual. Afinal, se todos os preços foram reajustados, nada mais justo do que reajustar o valor do salário.

O reajuste é calculado de acordo com a inflação do ano-base e é, geralmente, incluído na folha de pagamento a partir de janeiro. No entanto, o reajuste é concedido no período conhecido como data-base e, por isso, o mês em que passa a vigorar pode variar de acordo com a categoria.

Como a maior parte dos colaboradores recebem o salário do mês atual até o quinto dia útil do mês subsequente, o colaborador só percebe o aumento a partir de fevereiro.

Vale ressaltar que o reajuste anual no salário vale para todos os colaboradores que trabalham em regime CLT. Portanto, todas as empresas e sindicatos são obrigados a pagá-lo.
Como é feito o cálculo do reajuste salarial?

O valor que chegará até a folha de pagamento do colaborador que trabalha em regime CLT é calculado de acordo com um processo que envolve as empresas, os sindicatos e os próprios colaboradores.

A negociação é feita e, chegado a um acordo, o valor do reajuste é homologado para que reflita na folha de cada colaborador.

Nas empresas em que o reajuste anual é feito automaticamente antes das negociações entre as partes, o valor concedido é abatido após o acordo coletivo ou a concessão do dissídio.

O reajuste acontece sobre o valor do último salário bruto do colaborador em que é aplicada a porcentagem determinada no acordo entre as partes.

É importante observar que, em algumas categorias, os reajustes também são aplicados nos benefícios. Isso ocorre, por exemplo, na diminuição da porcentagem de desconto do vale-transporte ou aumento do vale-alimentação.

Por esse motivo, é fundamental que as empresas se atentem aos detalhes do acordos coletivos de sua categoria para não cometer erros que possam deixá-las sem respaldo no caso de ações trabalhistas.
Planejamento para o reajuste salarial dos colaboradores

Com o objetivo de ajudar o profissional do RH e o gestor a se prepararem para o reajuste salarial dos colaboradores, listamos abaixo algumas ações que deverão ser tomadas para que isso aconteça sem maiores problemas. Confira!

    Conheça os termos do acordo coletivo para que o reajuste seja feito corretamente, observando se há reajuste em benefícios da sua categoria;
    Mantenha os dados de sua folha de pagamento sempre atualizados e organizados para que não se perca em meio as informações essenciais de cada colaborador.
    Permita que os colaboradores que tiverem dúvidas tenham acesso à maneira como o cálculo foi realizado. Deixe tudo transparente para aumentar os laços de confiança entre a empresa e os colaboradores.
    Na mesma linha do item anterior, se antecipe e comunique aos colaboradores quando ocorrerá e como ele foi calculado.
    Lembre-se que mesmo os colaboradores que estão cumprindo aviso prévio têm direito.

Agora que você já conhece os pontos principais, mãos à obra!

Fonte: JornalContabil | 11/06/2019

Últimas Publicações

  • Concessão de Créditos | Análise de risco na concessão de crédito

    Os riscos na concessão de créditos estão presentes no dia a dia da maioria das empresas, principalmente para aquelas que têm como objetivo maximizar seus lucros, no mais alto grau possível. Para isso, seus gestores, além de adotar políticas de otimização da alocação de recursos, redução de custos e incrementos de produtivida.. (continue lendo)

  • Capital de Giro - Dá vida à organização e faz fluir os seus processos

    Também conhecido como Capital Circulante, o Capital de Giro representa em média, boa parte do total de ativos de uma empresa. Ele dá vida à organização, faz fluir seus processos de compra e venda e está diretamente associado às fontes de recursos, das quais a empresa necessita para financiar seu crescimento.

    continue lendo)

  • Obrigações Federais, Trabalhista e Previdenciária - Setembro/2019

    Esta agenda contém as principais obrigações tributárias do mês de Setembro/2019, de âmbito da legislação Federal, Trabalhista e Previdenciária, na forma de comentários, com ênfase às providências que as empresas devam adotar no cumprimento de suas obriga&.. (continue lendo)

  • Alienação Fiduciária | Modalidade de direito de propriedade com garantia

    A alienação fiduciária é um modelo de garantia de propriedades bastante comum no Brasil, principalmente em negociações de bens móveis e imóveis, onde o bem é adquirido pelo comprador a partir de um crédito pago em prestações (artigos 1361 a 1368-B, da Lei 10.406, de 2002 - Código Civil).

    continue lendo)

  • Contratos de Mutuo | Cálculo e pagamento do Imposto de Renda retido na fonte

    O mútuo é o empréstimo de coisas fungíveis, em que o mutuário (devedor) é obrigado a restituir ao mutuante (credor) o que dele recebeu em coisa do mesmo gênero, qualidade e quantidade (artigo 586, da Lei 12.406, de 2002, Código Civil).

    continue lendo)

  • PPRA | Implantação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

    O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) tem por finalidade a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, por meio da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente o controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho (Norma Regulamentadora nº 9, NR-9, aprovada pel.. (continue lendo)

  • Demonstração do Fluxo de Caixa | Análise da capacidade da empresa gerar caixa e gerenciar sua liquidez

    Um fluxo de caixa bem preparado é tudo o que um gestor precisa para conduzir sua empresa de forma rentável e, como é bom ver um fluxo de caixa positivo. A Demonstração dos Fluxos de Caixa  (DFC) ajuda os usuários das demonstrações contábeis analisar a capacidade da empresa gerar caixa, bem como sua necessidade para utilizar esses fluxos de caixa.continue lendo)

© 2017 | Desenvolvido por: TBrWeb