Demonstração do Fluxo de Caixa | Análise da capacidade da empresa gerar caixa e gerenciar sua liquidez

Um fluxo de caixa bem preparado é tudo o que um gestor precisa para conduzir sua empresa de forma rentável e, como é bom ver um fluxo de caixa positivo. A Demonstração dos Fluxos de Caixa  (DFC) ajuda os usuários das demonstrações contábeis analisar a capacidade da empresa gerar caixa, bem como sua necessidade para utilizar esses fluxos de caixa.

Esta ferramenta é considerada essencial para gerenciar a liquidez de qualquer empresa. Ela fornece informações acerca das alterações no caixa e equivalentes de caixa da empresa, evidenciando separadamente as mudanças nas atividades operacionais, de investimento e de financiamento (NBC TG 1000 – Seção 7).

Equivalentes de caixa

São chamados Fluxos de Caixa as entradas e saídas de caixa e seus equivalentes. São equivalentes de caixa as aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, que são mantidas com a finalidade de atender compromissos de caixa de curto prazo e não para investimentos ou outros afins. Para reconhecer um investimento como um equivalente de caixa é necessário atender cumulativamente três requisitos: ser de curto prazo (até 90 dias), ser de alta liquidez e apresentar insignificante risco de alteração de valor.

Portanto, além do dinheiro em poder da empresa e do dinheiro depositados em contascorrentes no sistema bancário, as aplicações financeiras de liquidez imediata, como CDB e RDB pós-fixados, também são incluídas na Demonstração dos Fluxos de Caixa, devendo estas aplicações financeiras ser relacionadas em notas explicativas da demonstração.

Fluxos de operações

As alterações verificadas no saldo de caixa ao longo do exercício a que se refere a demonstração devem ser aplicadas, separadamente, em três fluxos: concernentes às operações, aos investimentos e aos financiamentos. Segue um exemplo com um conteúdo detalhado por atividade, não esgotando, portanto, o universo de operações aceitáveis pela legislação que rege a elaboração dessa demonstração.

» Atividades operacionais

O fluxo das operações compreende o efeito das receitas geradas pelas atividades principais da empresa, tais como: (a) recebimentos de caixa pela venda de bens e serviços; (b) recebimentos de caixa decorrentes de royalties, honorários, comissões e outras receitas; (c) pagamentos de caixa de fornecedores de mercadorias e serviços; (d) pagamentos de caixa a empregados, além de demais saídas classificáveis como caixa ou equivalentes de caixa; (e) pagamentos ou restituições de tributos sobre o lucro; (f) recebimentos e pagamentos de investimentos, empréstimos e outros contratos mantidos para negociação imediata ou futura (item 7.4, NBC TG 1000).

» Atividades de investimentos 

O fluxo de investimento ocupa-se dos efeitos da aquisição e da venda de ativos de longo prazo, tais como: (a) pagamentos e recebimentos de caixa referentes à aquisição ou à venda de ativos imobilizados, intangíveis e outros ativos de longo prazo, inclusive quando de construção própria ou concernentes a custos de desenvolvimento ativados; (b) adiantamentos e recebimentos pela concessão ou liquidação de empréstimos (exceto quando realizados por instituição financeira); (c) pagamentos e recebimentos de caixa por contratos futuros, a termo, de opção ou swap, exceto quando tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou como atividade de financiamento (item 7.5, NBC TG 1000).

» Atividades de financiamentos

O fluxo de financiamento compreende o efeito da captação de recursos dos acionistas e de empréstimos de qualquer natureza, tais como: (a) entradas de caixa referentes à emissão de ações e a outros instrumentos patrimoniais, ou referentes à emissão de debêntures, empréstimos, notas promissórias, títulos de dívidas, hipoteca e outros empréstimos de curto e de longo prazo; (b) saídas de caixa associadas à amortização das transações mencionadas no item anterior (item 7.6, NBC TG 1000).


BGC | Edição | 1908

Últimas Publicações

  • Concessão de Créditos | Análise de risco na concessão de crédito

    Os riscos na concessão de créditos estão presentes no dia a dia da maioria das empresas, principalmente para aquelas que têm como objetivo maximizar seus lucros, no mais alto grau possível. Para isso, seus gestores, além de adotar políticas de otimização da alocação de recursos, redução de custos e incrementos de produtivida.. (continue lendo)

  • Capital de Giro - Dá vida à organização e faz fluir os seus processos

    Também conhecido como Capital Circulante, o Capital de Giro representa em média, boa parte do total de ativos de uma empresa. Ele dá vida à organização, faz fluir seus processos de compra e venda e está diretamente associado às fontes de recursos, das quais a empresa necessita para financiar seu crescimento.

    continue lendo)

  • Obrigações Federais, Trabalhista e Previdenciária - Setembro/2019

    Esta agenda contém as principais obrigações tributárias do mês de Setembro/2019, de âmbito da legislação Federal, Trabalhista e Previdenciária, na forma de comentários, com ênfase às providências que as empresas devam adotar no cumprimento de suas obriga&.. (continue lendo)

  • Alienação Fiduciária | Modalidade de direito de propriedade com garantia

    A alienação fiduciária é um modelo de garantia de propriedades bastante comum no Brasil, principalmente em negociações de bens móveis e imóveis, onde o bem é adquirido pelo comprador a partir de um crédito pago em prestações (artigos 1361 a 1368-B, da Lei 10.406, de 2002 - Código Civil).

    continue lendo)

  • Contratos de Mutuo | Cálculo e pagamento do Imposto de Renda retido na fonte

    O mútuo é o empréstimo de coisas fungíveis, em que o mutuário (devedor) é obrigado a restituir ao mutuante (credor) o que dele recebeu em coisa do mesmo gênero, qualidade e quantidade (artigo 586, da Lei 12.406, de 2002, Código Civil).

    continue lendo)

  • PPRA | Implantação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

    O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) tem por finalidade a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, por meio da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente o controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho (Norma Regulamentadora nº 9, NR-9, aprovada pel.. (continue lendo)

  • Demonstração do Fluxo de Caixa | Análise da capacidade da empresa gerar caixa e gerenciar sua liquidez

    Um fluxo de caixa bem preparado é tudo o que um gestor precisa para conduzir sua empresa de forma rentável e, como é bom ver um fluxo de caixa positivo. A Demonstração dos Fluxos de Caixa  (DFC) ajuda os usuários das demonstrações contábeis analisar a capacidade da empresa gerar caixa, bem como sua necessidade para utilizar esses fluxos de caixa.continue lendo)

Últimas Notícias

© 2017 | Desenvolvido por: TBrWeb